Dividend yield: o que é e qual sua relação com os dividendos?

Dividend yield: o que é e qual sua relação com os dividendos?

Quando se fala em ações ou em Fundos de Investimento é comum relacionar a lucratividade à valorização dos ativos ou cotas. Contudo, uma estratégia de aportes para quem quer uma renda passiva pode ser focar nos dividendos. Para isso, vale conhecer o Dividend Yield (DY).

Esse indicador serve como parâmetro para pautar suas decisões de investimentos visando dividendos. Contudo, é necessário entender esses conceitos e seu cálculo, para não ter problemas.

Neste texto você aprenderá o que são os dividendos e o Dividend Yield. Ainda, entenderá o cálculo e outros indicadores que podem ser utilizados ao investir em renda variável. Confira a seguir!

O que são os dividendos?

São chamados dividendos os valores provenientes da divisão de lucros para os acionistas de empresas listadas na bolsa. Eles são um dos tipos de proventos mais comuns. Para entender o conceito é preciso saber como funciona o investimento em ações.

Quem compra uma ação de uma empresa se torna sócio dessa companhia. Isso acontece porque esse ativo corresponde a uma parte do capital social dela. Dessa maneira, o acionista, ainda que com poucas Ações, passa a ter alguns direitos. 

Em alguns casos, ele pode votar em assembleias (se tiver papéis ordinários). Outro direito é participar dos resultados da empresa. Isso pode se dar pela venda das ações com ganhos ou pelo recebimento de parte do lucro produzido pela companhia.

Uma das formas de distribuição do lucro é por meio de dividendos. Eles são proporcionais ao número de ações que o acionista possui. Assim, quem compra um grande número de papéis pode receber mais dividendos, por exemplo.

Conforme a lei das Sociedades por Ações — Lei n.º 6.404 de 1976 — todas as empresas devem dividir seus lucros. O percentual e a frequência da disposição devem constar no estatuto social do negócio, deixando claras as regras.

Além das ações, vale destacar que os Fundos de Investimentos Imobiliários também repassam os proventos aos cotistas. Eles são mais notados nos fundos de tijolo, que negociam imóveis físicos e recebem aluguel — uma renda passiva frequente.

O que é o Dividend Yield?

Depois de entender o que são os dividendos é hora de conhecer o Dividend Yield. Ele é um indicador utilizado em análises fundamentalistas. O cálculo serve para relacionar o preço da ação ou da cota e os dividendos pagos.

Com ele o investidor sabe, percentualmente, quanto foi distribuído de divisão de lucros em relação à cotação do ativo em determinado período. Dessa maneira, quanto mais alto for o DY, mais dividendos o investimento paga proporcionalmente.

O termo Dividend Yield pode ser traduzido para rendimentos de dividendos. Assim, ele é utilizado por investidores para analisar ações e cotas de Fundo Imobiliário, quando o foco do aporte está em receber dividendos frequentes.

Contudo, a ideia desse indicador é mostrar qual é o percentual do dividendo pago em relação ao preço da ação ou cota. Portanto, ele depende também de movimentos do mercado e não deve ser analisado exclusivamente ao fazer um investimento.

Com uma análise fundamentalista que considere mais indicadores, o investidor poderá escolher as empresas ou fundos que têm bom potencial de pagar dividendos — e boa qualidade no geral. Dessa forma, é possível escolher as oportunidades que mais se encaixam nos seus objetivos.

Como esse indicador funciona?

Para usar o DY é válido entender o seu cálculo. A sua fórmula é simples, então é possível fazer análises rápidas ao utilizá-lo. O Dividend Yield é dado por: 

dividendos pagos por ação ou cota divididos pelo preço, multiplicado por 100.

O cálculo é mais fácil de entender com um exemplo. Imagine que determinada Ação está cotada em R$ 10 a unidade. A empresa divulgou um pagamento de dividendos médio de R$ 0,50 por Ação nos últimos 12 meses.

Assim, a conta fica: (0,50 / 10) * 100. Logo, nesse exemplo, a taxa de Dividend Yield da empresa é de 5%. Nesse exemplo, os acionistas, nos últimos 12 meses, receberam 5% em dividendos por cada ação que possuíam.

Com esse dado em mãos o investidor pode comparar diversas alternativas para determinar qual é a mais indicada de acordo com seus objetivos. Mas lembre-se de avaliar outros indicadores. Afinal, a distribuição passada não é garantia de que os lucros continuarão semelhantes.

Por que acompanhar o DY?

Montar uma carteira de investimentos com foco em dividendos pode ajudar a alcançar seus objetivos. Ela é uma forma de obter uma renda passiva, mantendo seu patrimônio e lucrando com ele.

Assim, o Dividend Yield é utilizado, principalmente, para basear as suas escolhas de empresas e fundos para o longo prazo. Geralmente, as companhias com resultados constantes e já consolidadas no mercado pagam mais dividendos.

Isso acontece porque elas não precisam mais utilizar os ganhos arrecadados para investir em infraestrutura e projetos, por exemplo. Logo, os acionistas recebem essa divisão mensalmente e com um alto DY.

Para avaliar isso, vale a pena considerar o DY de anos anteriores. Assim, você poderá ver se os resultados financeiros da empresa ou fundo têm sido consistentes. É preciso ficar atento, pois um DY alto em um ano pode se dever a mudanças pontuais no lucro ou no preço da ação ou cota.

Ao utilizar o DY é preciso analisar dados históricos. Se ela é estável, esse número deve se manter sem grandes variações. Apesar de essas informações não garantirem que ela se manterá com os mesmo resultados, é um indicativo para a escolha.

Quais indicadores utilizar com o DY?

Você já viu que é muito importante fazer uma boa análise ao escolher a composição da sua carteira. Para isso, deve-se utilizar diversos indicadores na análise fundamentalista. Assim, suas decisões ficarão bem embasadas.

Para entender mais sobre a saúde financeira da empresa ou fundo, por exemplo, é importante analisar o balanço patrimonial. O documento é divulgado anualmente e nele são reunidos dados financeiros relevantes. 

Outro indicador muito utilizado é o patrimônio líquido. Ele é o capital da empresa ou fundo, considerando os ativos e passivos. Também é relevante considerar a dívida bruta / patrimônio líquido, para entender o endividamento do negócio.

Sobre dividendos, existe, ainda, o Dividend Payout. Ele representa a proporção de lucros distribuídos pela empresa, em relação ao que ela efetivamente lucrou. Assim, você consegue entender se determinada empresa ou fundo tem maiores distribuições.

Entendeu como funciona o Dividend Yield? Como você pode perceber, antes de escolher os ativos para compor a carteira é fundamental fazer uma análise. Considerar os indicadores corretos torna possível tomar decisões embasadas que irão ao encontro dos seus objetivos!

Quer contar com uma assessoria para esclarecer dúvidas a respeito de investimentos? Então conte com a Zahl para ajudá-lo!

O Dividend Yield é um indicador fundamental na hora de avaliar o pagamento de dividendos. Você sabe como ele funciona e quando utilizá-lo? Aprenda agora!
Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *