Investimento em Fundo Imobiliário: você sabe mesmo como funciona?

Investimento em Fundo Imobiliário: você sabe mesmo como funciona?

Quem busca praticidade e capacidade de diversificação pode se interessar pelo investimento em Fundo Imobiliário. Afinal, trata-se de uma alternativa que se destaca no setor de imóveis.

Dependendo dos riscos que você estiver disposto a correr, também é possível obter níveis interessantes de rentabilidade. Para aproveitar os resultados, entretanto, é necessário entender como funciona o Fundo Imobiliário e o que ele tem a oferecer.

Pensando nisso, veja as informações mais relevantes sobre o assunto neste artigo e descubra se a alternativa faz sentido na sua carteira!

O que é um Fundo Imobiliário?

O fundo de investimento imobiliário, também chamado de FII, é uma modalidade do mercado financeiro que foca em aportes em elementos do mercado de imóveis. Como você verá adiante, o investimento pode ser feito tanto em imóveis físicos quanto em títulos de renda ligados ao setor.

Trata-se de um investimento de renda variável. Logo, não é possível determinar quais serão os ganhos obtidos — ou mesmo se essa valorização existirá, pois há exposição às oscilações do mercado financeiro.

Como funcionam os fundos imobiliários?

Um fundo de investimento funciona de maneira coletiva. Ele se apresenta como uma espécie de condomínio, em que investidores com interesses semelhantes se reúnem para aportar o dinheiro. Isso acontece por meio da aquisição de cotas — de modo que cada participante se torna um cotista.

A soma dos valores das cotas é gerida como patrimônio do fundo, que é movimentado por um gestor. O profissional toma decisões com base em uma estratégia predefinida para o fundo e aloca os recursos em investimentos para o portfólio.

Os Fundos Imobiliários são um tipo de fundo de investimento. Logo, o funcionamento é semelhante ao que explicamos. Em relação à rentabilidade, ela pode se dar tanto com a valorização das cotas quanto com o pagamento de dividendos – característico de alguns FIIs.

Quais são os tipos de FIIs?

Agora que você já sabe o que é e como funciona o investimento em Fundo Imobiliário, é importante entender que há mais de uma classificação para os FIIs.

A seguir, veja quais são os 3 tipos principais de Fundos Imobiliários:

Fundos de tijolo

Os fundos de tijolo são aqueles que direcionam os recursos para imóveis físicos. Nesse caso, o dinheiro é usado para adquirir imóveis ou mesmo para financiar a construção ou incorporação, por exemplo.

Fundos de papel

Por outro lado, os fundos imobiliários de papel são aqueles que aportam os recursos em títulos ligados ao mercado imobiliário — como Letra de Crédito Imobiliário (LCI) ou Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI).

Fundos de fundos

Já os fundos de fundos são aqueles que utilizam o patrimônio para adquirir cotas de participação em outros fundos ligados ao setor imobiliário. O mais comum é que haja o investimento em FIIs de diversos tipos.

Como é o investimento em Fundo Imobiliário?

Antes de investir em Fundo Imobiliário é importante ter as informações básicas sobre ele. Primeiramente, vale entender que os FIIs têm legislação própria e que devem ser aprovados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A negociação das cotas costuma ser feita na bolsa de valores. Para isso, é preciso ter uma conta em corretora para acessar os ambientes. É válido lembrar que as cotas sofrem oscilações nos preços, dependendo das condições do fundo, do mercado e da economia em geral.

Em relação ao lucro, algumas alternativas têm pagamento recorrente de dividendos — principalmente os fundos de tijolos que recebem aluguéis. No entanto, outros FIIs podem não apresentar tal característica.

Em relação à tributação, o pagamento de dividendos costuma ser isento, se o FII atender a algumas regras — como o número de cotistas. Contudo, o ganho de capital (ou seja, a venda de cotas com valorização) tem uma alíquota de IR incidente de 20%.

Para quem os FIIs são indicados?

De modo geral, os Fundos Imobiliários são investimentos adequados para investidores com perfil moderado ou agressivo. Afinal, eles têm abertura aos riscos da renda variável. Adquirir as cotas pode ser mais vantajoso do que investir em imóveis, por conta do menor custo e burocracia.

Depois de avaliar se você tem perfil para investir em FIIs, é preciso saber como escolher os melhores FIIs. Na sequência, saiba como escolher as melhores alternativas para seu portfólio!

Conheça os seus objetivos

Antes de se comprometer com um investimento, é preciso entender quais são os seus objetivos. Então, você pode refletir se o FII serve bem aos planos estipulados.

Isso é muito importante para alinhar suas expectativas, principalmente em relação aos prazos. Como pode apresentar variação negativa nos preços das cotas no curto prazo, é menos arriscado considerar os FIIs como investimentos de longo prazo.

Avalie o histórico do FII

Quando estiver analisando as opções para investir em FII, não deixe de considerar o seu histórico. Em geral, o desempenho utiliza o IFIX (Índice de Fundos de Investimento Imobiliários) como benchmark, o que permite que você analise os resultados obtidos.

Um fundo com histórico positivo costuma se mostrar atraente. No entanto, lembre-se que rentabilidade passada não garante ganhos no futuro. Na renda variável, é preciso sempre considerar os riscos.

Selecione o tipo de FII adequado para você

Mais uma dica para escolher seus investimentos é considerar os tipos de Fundos Imobiliários. Como você viu, há as opções de tijolo, de papel e de fundos.

O funcionamento de cada um é diferente. Além disso, fundos de um mesmo tipo também podem ter perfil de risco e características diferentes. Então, avalie o prospecto para conhecer os detalhes. E lembre-se de que é possível compor sua carteira com mais de um FII, caso seja do seu interesse.

Avalie a gestão do fundo

Em fundos, a tomada de decisão é responsabilidade do gestor, a partir de critérios predefinidos. Eles envolvem os tipos de investimentos que podem compor o portfólio dos fundos e como será a estratégia de gestão.

Para ter a certeza de que o FII atende às suas preferências, avalie a estratégia e a gestão. Observe, por exemplo, a localização e os tipos de imóveis, a distribuição entre títulos ou a participação em outros fundos. Assim, há como fazer uma escolha que seja conveniente para a sua carteira.

Neste conteúdo, você entendeu que o investimento em Fundo Imobiliário pode acontecer em diferentes tipos e, com isso, apresentar resultados distintos. Então, é necessário fazer uma análise criteriosa para decidir se a modalidade faz sentido para o seu caso!

Quer ajuda para entender o mercado financeiro? Entre em contato conosco da Zahl e veja como podemos ajudar!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *