Juros compostos: o que é, qual a fórmula e por que considerá-lo ao investir?

Juros compostos: o que é, qual a fórmula e por que considerá-lo ao investir?

Ao avaliar os investimentos, um dos pontos observados é o potencial de rentabilidade que eles oferecem. Principalmente quando se pensa em aposentadoria e independência financeira, esse é um fator bem relevante. Por isso, vale a pena entender a fórmula de juros compostos.

Com um bom planejamento e boas decisões, você pode fazer o seu dinheiro trabalhar para você e trazer ganhos acumulados. Mas, muitas vezes, ao fazer previsões sobre os lucros com determinados investimentos, as pessoas têm dúvidas sobre como os juros funcionam. 

Quer entender mais? Neste conteúdo você aprenderá o que são juros compostos, verá a fórmula para o cálculo e por que é importante considerá-los. Confira!

O que são juros compostos e como funcionam?

Antes de tudo, é importante relembrar o que são juros: eles tratam do valor que será pago a mais em determinado contrato ou investimento. 

Por exemplo, ao fazer um empréstimo, você precisará devolver o valor corrigido seguindo a taxa de juros pactuada, certo? Por outro lado, ao investir você recebe os juros. 

Na matemática, eles podem ser de dois tipos: simples ou compostos. O primeiro caso é aquele em que o percentual da correção é adicionado ao valor da operação inicial. Ou seja, em um empréstimo de R$ 10 mil, com juros de 0,5% ao mês e um ano de prazo, o total recebido é de R$ 10.600.

O cálculo é sempre feito considerando o valor original do contrato. Porém, quando se utiliza os juros compostos, há a chamada cobrança de juros sobre juros. Na prática, cada vez que forem contabilizados os juros de um período, eles são calculados sobre um valor diferente. 

Imagine o seguinte: você investe R$ 1.000 com taxa de 6% ao ano. Ao imaginar a renda final, é normal pensar que o valor acumulado depois de 12 meses é de R$ 1.060. Contudo, quando se aplicam os juros compostos, o cálculo é diferente. 

Isso porque cada vez que forem creditados juros no investimento, o valor base será atualizado. Por exemplo, a taxa de 6% ao ano equivale a 0,5% ao mês. Ou seja, ao final do primeiro mês, os R$ 1.000 se tornam R$ 1.005 e, no mês seguinte, essa será a base de cálculo para os juros.

Assim, ao longo dos anos o rendimento é potencializado devido à incidência de juros sobre os juros. No entanto, o cálculo é mais complexo do que o utilizado no exemplo. Por isso é importante conhecer a fórmula para calcular corretamente os efeitos dos juros compostos no investimento. 

Qual é a fórmula para calcular os juros compostos?

Após aprender o que são os juros compostos, é importante entender como calcular corretamente. Não é preciso fazer o cálculo mês a mês, individualmente, para depois somar os ganhos. Existe uma fórmula matemática para isso.

Ela pode ser aplicada para que você consiga identificar o retorno obtido em longo prazo. Veja só: 

S = P(1 + i)n.

Entenda o que significa cada variável:

  • S = indica o montante, o valor da operação mais os juros pagos;
  • P = trata do valor inicial da operação;
  • i = se refere à taxa de juros;
  • n = é o prazo do investimento ou período utilizado no cálculo.

Para entender como funciona na prática, imagine um investimento de R$ 10 mil (aporte único). Ele terá a taxa de 8% ao ano e ficará aplicado por 5 anos. O cálculo fica assim:

  • S = 10.000 (1+0,08)5;
  • S = 10.000 (1,08)5;
  • S = 10.000 x 1,46932…;
  • S = 14.693,29.

Para comparação, o mesmo cálculo considerando juros simples daria um retorno de apenas R$ 4 mil. Apesar de parecer complicado, o cálculo pode ser simplificado utilizando calculadoras específicas. Você consegue achar diversas opções disponíveis na internet e em simuladores de investimento. 

Vale destacar que quanto maior o montante e o prazo do investimento, maior o retorno dos juros sobre juros. Ademais, os resultados podem ser potencializados com aportes frequentes em aplicações financeiras.

Qual é a relação entre os juros compostos e os investimentos?

Na busca por crédito no mercado, a dica é sempre fugir dos juros compostos. Isso porque ele aumenta o valor da dívida: a cada mês, o total devido é atualizado considerando o saldo devedor e os juros do mês anterior. Diante da inadimplência, pode acontecer a chamada bola de neve. 

Porém, nos investimentos esse tipo de juros é uma ferramenta poderosa para auxiliar no acúmulo de capital e no aumento do patrimônio. Isso porque, como você viu, a cada mês, a base de cálculo se torna maior, o que aumenta o retorno obtido. 

Em longo prazo, os efeitos são significativos — trazendo um crescimento exponencial do seu patrimônio. A própria rentabilidade consegue potencializar os resultados obtidos, fazendo com que o seu capital aumente cada vez mais.

Nos investimentos de renda fixa é mais fácil observar o efeito dos juros compostos. Isso porque ele decorre do cálculo feito durante a vigência do título e a rentabilidade acontece ao longo do tempo. Contudo, na renda variável existem algumas diferenças.

Nesse caso, os juros compostos acontecem de maneira indireta sobre o investimento. Geralmente, pela reaplicação dos rendimentos. Logo, elas passam a oferecer rentabilidade também – acumulando os ganhos e aumentando o retorno obtido. 

Vale ressaltar também que a exposição à economia real, quando falamos sobre investimentos em ações, também permite ao investidor usufruir, indiretamente, da incidência dos juros compostos sobre seus aportes.

Por que considerar juros compostos ao investir?

O principal motivo para considerar os juros compostos ao investir é a maneira como ele aumenta o retorno obtido. Os próprios juros recebidos passam a trazer rendimentos, fazendo com que o investidor tenha mais resultado no acúmulo de patrimônio.

O resultado fica mais evidente no longo prazo. Os rendimentos se acumulam com o aporte inicial e novos investimentos feitos e você tem um patrimônio bem maior.

Assim, ao planejar os seus aportes, vale considerar os efeitos dos juros compostos e utilizar algumas estratégias para aproveitar seus benefícios. Dessa forma, é possível fazer com que a própria rentabilidade dos investimentos trabalhe aumentando a renda obtida. 

Conseguiu entender a fórmula dos juros compostos? Agora que você conhece esse conceito, aproveite o poder que eles têm sobre seus investimentos e potencialize a sua rentabilidade. Vale a pena começar a investir, mesmo com pouco dinheiro no início!

Ainda tem dúvidas sobre investimentos?  Entre em contato conosco e receba suporte para esclarecê-las!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *