O que é CDI e como ele afeta seus investimentos? Descubra agora!

O que é CDI e como ele afeta seus investimentos? Descubra agora!

O mercado financeiro e o universo de investimentos estão envoltos por diversos conceitos e siglas que podem confundir os investidores — especialmente os iniciantes. Alguns deles se referem às taxas da economia, outros a títulos e aplicações, por exemplo.

E como diferenciar cada sigla do mercado? É importante, primeiramente, ter paciência e estudar o assunto. Gradualmente, você conseguirá entender todos os termos importantes para a sua rotina como investidor. Neste post, vamos esclarecer o que é CDI.

O que é CDI?

A sigla CDI representa o termo Certificado de Depósito Interbancário. Basicamente, ela está relacionada aos empréstimos que os bancos fazem entre si para conseguir fechar o caixa positivo todos os dias. Mas, por que isso acontece?

No Brasil, há uma legislação do Banco Central que impede as instituições bancárias de fecharem o dia com saldo negativo. Ela visa proteger nosso mercado financeiro, evitando a instabilidade dos bancos nacionais.

Contudo, as atividades bancárias consistem em obter dinheiro com algumas pessoas e empresas e emprestá-lo para outras, certo? Então, nem sempre o saldo diário fica equilibrado entre a quantidade de depósitos e saques.

Quando acontece o caixa negativo, o banco normalmente faz um empréstimo diário com outra instituição, a fim de finalizar o dia com saldo positivo.

Os juros aplicados nas operações de crédito desse tipo culminam na taxa CDI: um índice calculado a partir de uma metodologia estabelecida pela Cetip (Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos), considerando a média de juros pagos entre os bancos.

O CDI é um investimento?

Como você pode perceber, o CDI não é um investimento, e sim uma taxa de juros. Ainda assim, muitas pessoas confundem o conceito. A explicação é que existe uma aplicação de renda fixa profundamente relacionada a essa taxa: o CDB.

Para que você saiba diferenciar os dois, CDB é a sigla para Certificado de Depósito Bancário – uma aplicação que o investidor pode fazer junto aos bancos.

É comum que o rendimento desse título de renda fixa privado seja pós-fixado e acompanhe a taxa CDI. Por isso, os dois são muito confundidos.

Como o CDI funciona?

Agora, você já sabe o que é o CDI — um índice econômico que é gerado pela movimentação de empréstimos diários entre os bancos com objetivo de fechar o caixa positivo. Mas como ele funciona, afinal?

Primeiro, é importante entender que todas as transações realizadas entre os bancos são registradas pela Cetip diariamente. Logo, ela divulga a cada dia qual foram as taxas de juros praticadas.

Então, a B3 (bolsa de valores brasileira) realiza o cálculo da média da taxa — chegando ao valor do CDI. Os juros envolvidos nas operações geralmente são baixos, já que elas se dão entre dois bancos e têm prazo de apenas um dia.

Se você pesquisar sobre a taxa CDI hoje, por exemplo, provavelmente encontrará o valor diário e o valor anual da taxa – sendo este último o mais comum deles. Isso ocorre porque, apesar de o cálculo se dar a partir da média diária, as instituições chegam ao valor anualizado considerando os dias úteis de um ano.

Por que é importante conhecê-lo?

Você já viu que o CDI não é um investimento. Portanto, não é possível aplicar diretamente nele. Ainda assim, a taxa de juros é muito importante para os investidores – e é preciso conhecê-la.

Um dos pontos mais relevantes está no fato de que o CDI está sempre muito próximo da taxa básica de juros da economia: a Selic. Se você ainda não a conhece, saiba que ela influencia diretamente muitos investimentos e outras atividades financeiras — como empréstimos, por exemplo.

Geralmente, os valores do CDI e da Selic são bastante próximos. Assim, aplicações de renda fixa que tenham rendimentos atrelados a uma das duas taxas costumam apresentar resultados semelhantes. Logo, conhecer o CDI pode ajudar o investidor a tomar suas decisões de investimento.

Como o CDI pode afetar os investimentos?

Depois de descobrir o que é CDI, como ele funciona e sua importância, confira a seguir mais detalhes acerca da presença desta taxa nos seus investimentos — especialmente aqueles da renda fixa – e entenda como o CDI pode afetá-los:

Alguns investimentos acompanham o CDI

Se você tem perfil de investidor conservador, certamente encontrará diversas opções de investimentos cuja rentabilidade acompanha o CDI. Como sua prioridade é a segurança, a preferência será por ativos da renda fixa, não é?

Mas investidores moderados e agressivos também podem ter aplicações que acompanhem o CDI, principalmente em relação a quantias aplicadas para reserva de emergência ou planos de curto prazo.

Ao ver um determinado investimento que rende, por exemplo, 100% do CDI, você já consegue interpretar o que isso significa: os rendimentos da aplicação equivalerão a 100% da taxa CDI para o período em que o dinheiro ficar investido.

Alguns exemplos de aplicações de renda fixa que utilizam o CDI como referência de rentabilidade são:

  • Certificado de Depósito Bancário (CDB);
  • Letra de Crédito do Agronegócio (LCA);
  • Letra de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letra Cambial (LC).

Entretanto, vale reforçar que nem sempre as aplicações serão pós-fixadas – ou seja, acompanharão um índice que varia ao longo do tempo. Algumas delas têm taxas de juros pré-fixadas — que já são estabelecidas antes do investimento acontecer.

O CDI é um benchmark importante

Investidores de renda fixa podem ter o CDI como uma referência. Isto é, como benchmark para comparação de como sua carteira de investimentos está performando. De modo geral, o objetivo é superar a rentabilidade dele.

Alguns investimentos no mercado terão juros maiores do que 100% do CDI. Assim, seu retorno seria maior do que o índice — consequentemente, seria também mais alto do que a taxa Selic. Eles são os dois benchmarks centrais da renda fixa.

Assim, é interessante que você considere o valor do CDI para tomar decisões mais vantajosas e encontrar alternativas que lhe tragam rentabilidades interessantes. Aplicações com rendimento menor do que 100% do CDI, por exemplo, não costumam ser atrativas.

Além disso, quem investe na renda variável também pode utilizar o CDI como benchmark para analisar o retorno que está tendo. Afinal, a renda fixa tem investimentos mais seguros. Então, se você se expõe ao risco da bolsa de valores deseja receber mais do que o CDI, certo?

Como você pode ver, apesar de não ser propriamente um investimento, o CDI é um conceito essencial para todos que fazem aportes no mercado financeiro – seja na renda fixa ou na renda variável.

Então, não deixe de estudar esse e outros termos relevantes do mercado para ter cada vez mais conhecimento sobre o assunto. E, claro, para investir cada vez melhor!

Gostou de aprender um pouco mais conosco? Conte com a nossa assessoria de investimentos para ajudá-lo a transformar seus objetivos em estratégias de investimento. Clique aqui e solicite contato.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *