O que é e como funciona o mercado de capitais?

O que é e como funciona o mercado de capitais?

Você já deve ter ouvido falar no termo, mas será que conhece o mercado de capitais de verdade? Esse é um conceito que faz parte da rotina dos investidores e que possui algumas características que precisam ser conhecidas.

Afinal, investir no mercado de capitais pode trazer uma variedade de oportunidades – que vão desde os títulos privados até o mercado de ações. Para que você não tenha dúvidas sobre o assunto, preparamos um artigo completo sobre o assunto.

Descubra a seguir o que é e como funciona o mercado de capitais e veja como aproveitar as oportunidades que ele pode oferecer. Acompanhe!

O que é o mercado de capitais e como ele funciona?

O mercado de capitais se baseia na captação de recursos por parte de empresas e instituições a partir dos valores mobiliários. De forma simples, ele envolve as companhias que desejam captar investimentos e os investidores que desejam fazer aportes em busca de rentabilidade.

Assim, ao invés de a empresa solicitar crédito junto às instituições financeiras, ela passa a levantar os valores dos quais precisa junto a quem investe. O mercado de capitais, portanto, une quem deseja investir e quem precisa obter recursos para realizar operações diversas.

Qual a sua estrutura?

Em relação à estrutura do mercado de capitais, é importante saber que há a atuação de instituições financeiras autorizadas para executar diversas etapas. Uma delas é a bolsa de valores – como a B3, no Brasil. Mas há também as corretoras.

A atuação desses agentes é regulada e acompanhada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que estipula regras e fiscaliza as operações.

Em termos de funcionamento, as empresas devem passar por diversas etapas para emitir títulos e ações e buscar lucrar com eles a partir do mercado de capitais. Nesse caso, os investidores escolhem as alternativas disponíveis por meio da corretora e aportam os recursos nas opções que mais lhes interessarem.

A estrutura e o funcionamento do mercado de capitais, portanto, envolve tanto as instituições financeiras autorizadas quanto as corretoras e os próprios investidores. Além, é claro, da bolsa de valores e dos órgãos reguladores.

Quais são os tipos de mercado?

Para entender o que é mercado de capitais, também é essencial saber que ele se divide em duas alternativas principais. Descubra as características de cada um e entenda por que essa classificação existe!

Mercado primário

No mercado primário, o valor mobiliário é disponibilizado pela própria empresa, pela primeira vez. É o que acontece quando o negócio emite ações e faz a sua estreia na bolsa de valores, por exemplo.

Nesse mercado, todos os recursos obtidos são direcionados para a própria empresa. Portanto, os valores podem dar origem a melhorias e mudanças relevantes.

Mercado secundário

No mercado secundário, a negociação ocorre de maneira distinta e não envolve, necessariamente, a atuação da empresa. Quer ver?

Basta pensar em uma companhia que emitiu ações e, inicialmente, captou os recursos. Um investidor que comprou uma pequena parcela dos papéis, por sua vez, decide se desfazer deles e vende para outro interessado.

Nesse caso, o dinheiro não seguiu para a empresa e, sim, para o investidor. Portanto, temos configurado o mercado secundário. A negociação, portanto, se dá entre dois investidores – sem participação da companhia.

Quais são os principais ativos negociados no mercado de capitais?

Agora que você já entendeu o funcionamento do mercado de capitais, precisa conhecer os ativos que são negociados nesse ambiente. Conheça os três principais:

Ações

As ações são pequenas partes do capital social de uma empresa. São emitidas quando a companhia decide ter seu capital aberto e passa a ser uma sociedade anônima.

Investir nessa alternativa, portanto, significa se tornar sócio de um negócio, ainda que minoritário. Os investidores podem lucrar com as ações a partir da venda dos ativos e por meio de recebimento de dividendos.

Commercial papers

Os commercial papers são títulos de curto prazo e que permitem às empresas captar recursos junto aos investidores. Em troca, há o pagamento de uma rentabilidade prevista em contrato – que, normalmente, é menor que o valor que seria cobrado por instituições em um empréstimo.

Assim, companhias que desejam captar investimentos para um determinado objetivo emitem esses títulos e os oferecem aos investidores. Costumam fazer mais sentido para quem não deseja manter o dinheiro alocado por muito tempo.

Debêntures

As debêntures também são títulos privados de dívida, mas são focados no longo prazo. Então, a empresa emite debêntures e, por meio delas, capta os recursos necessários para sua operação.

A rentabilidade é prevista na própria oferta. Se for uma debênture incentivada, ela ainda conta com isenção de Imposto de Renda.

Quais as diferenças entre a bolsa de valores e o mercado de capitais?

Ao descobrir o que é mercado de capitais e suas características, pode haver uma associação natural com bolsa de valores. A princípio, isso faz sentido. Afinal, essa é uma das instituições autorizadas a atuar nesse mercado.

No entanto, é preciso ter cuidado para não encarar esses conceitos como sinônimos. A bolsa de valores funciona como um balcão de negociação de ativos, derivativos e outras alternativas – especialmente no âmbito da renda variável.

A bolsa, portanto, é o ambiente no qual ocorrem essas negociações. E o mercado de capitais é o todo que abrange, inclusive, esse ambiente.

Como investir no mercado de capitais?

Para começar a aportar seus recursos no mercado de capitais, é indispensável ter um bom planejamento financeiro e conhecer alguns fatores importantes para tomar decisões eficientes.

Então, conheça um passo a passo para investir nesse mercado da maneira certa!

Conheça seu perfil e seus objetivos

Antes de realizar qualquer operação no mercado, é essencial entender quem é você como investidor e o que deseja alcançar. Lembre-se de que algumas alternativas do mercado de capitais – como as ações – apresentam mais riscos.

Então, você precisa reconhecer qual é o seu apetite ao risco e qual é o seu nível de tolerância a possíveis flutuações, por exemplo. Também é o momento de avaliar os seus objetivos, tanto em relação às possibilidades de ganho quanto ao prazo e liquidez do investimento.

Escolha uma corretora de valores de qualidade

A corretora de valores é a principal intermediária entre as empresas de capital aberto e os investidores. Por isso, é fundamental escolher uma corretora de qualidade para abrir sua conta.

A partir dela, você poderá acessar diversas alternativas disponíveis no mercado de capitais, por meio do home broker. E fará seus investimentos, caso seja esse o seu desejo.

Conte com o auxílio de uma assessoria de investimentos

A escolha de uma boa corretora é fundamental nesse processo, mas contar com o auxílio de uma assessoria de investimentos para investir no mercado de capitais pode fazer grande diferença no seu portfólio.

Afinal, o grande leque de alternativas de investimentos pode dificultar suas escolhas. Assim, contar com uma assessoria de investimentos pode ajudá-lo a conhecer as opções de investimento mais adequadas para seus objetivos e perfil.

Agora você já sabe o que é e como funciona o mercado de capitais. Então utilize os conhecimentos que obteve nesse post e coloque-os em prática na hora de investir.

E, para contar com a ajuda profissional para conhecer as alternativas que o mercado de capitais pode lhe oferecer, entre em contato com a Zahl!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *