O que é e como funciona um IPO na bolsa de valores?

O que é e como funciona um IPO na bolsa de valores?

Quando o assunto é investimento em ações e bolsa de valores, é essencial saber o que é IPO. Afinal, esse processo é muito comum no mercado e acontece quando um negócio estreia na bolsa.

Ao entender como ele funciona e, principalmente, como investir em um IPO, é possível aproveitar eventuais oportunidades que você considerar interessantes na renda variável. Então, vale a pena saber mais sobre o assunto.

Continue conosco e confira tudo sobre o funcionamento do IPO neste artigo! Vamos lá?

O que é IPO?

Sigla para Initial Public Offer – ou Oferta Pública Inicial, o IPO é a abertura de capital de uma empresa na bolsa de valores. Ou seja, é o processo por meio do qual ela se torna uma sociedade anônima.

A partir do lançamento na bolsa, os investidores poderão adquirir pequenas partes do empreendimento por meio das ações. Os acionistas, então, podem negociar os papéis na bolsa e também obter ganhos com eventual participação nos lucros da companhia ao longo do tempo.

Como funciona o IPO?

Para entender o funcionamento do IPO é preciso compreender que ele exige uma preparação longa e, muitas vezes, onerosa para as empresas. Afinal, por se tratar de uma transformação completa no tipo de negócio, é necessário seguir regras impostas pelos órgãos reguladores — como a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Diante da decisão de abrir o capital social, a empresa precisa compor um time que irá elaborar um prospecto. Ele é uma espécie de proposta inicial. Também é muito comum que haja a contratação de um profissional exclusivamente dedicado ao objetivo.

Após a elaboração do projeto, são feitas diversas análises e auditorias sobre as demonstrações contábeis do negócio. A intenção é convencer os investidores de que o investimento vale a pena e tem boas perspectivas de futuro.

Há, ainda, questões legais. Por exemplo, a adaptação do estatuto social para que a transição seja adequada. Com tudo legalmente pronto, começam os registros. O primeiro passo é formalizar junto à CVM e, depois, listar a empresa na bolsa.

Com esses passos concluídos, é hora de fazer a comunicação ao mercado. O lançamento deve ser de conhecimento amplo e público. Usa-se o prospecto para que os futuros investidores saibam o que avaliar no investimento.

Quais as diferenças entre IPO e follow-on?

No mercado financeiro, os termos IPO e follow-on podem ser confundidos, mas eles são diferentes. Como você já sabe, o IPO representa a estreia na bolsa de valores. Já o follow-on é uma oferta subsequente, que acontece quando a companhia já está listada na bolsa.

O follow-on pode ser primário ou secundário. No primário, a companhia emite novas ações e as lança no mercado. Já no secundário, o lançamento é feito a partir de ações que já existem – quando um sócio majoritário decide vender seus papéis, por exemplo.

Entender a diferença desses dois processos é fundamental para fazer boas escolhas na bolsa de valores.

Quais as vantagens do IPO?

Além de saber o que é IPO, é importante entender o que ele tem a oferecer. Para empresas e investidores, pode haver alguns benefícios relevantes.

Veja quais são os principais pontos positivos desse processo:

Para o negócio

Para o negócio, uma oferta pública inicial é uma chance de captar recursos junto aos investidores. Se o prospecto tiver sido atraente o bastante, é possível que muitos investidores se interessem e adquiram ações.

Como consequência, a empresa recebe uma quantidade considerável de recursos. Na prática, isso aumenta o volume disponível em caixa e permite quitar dívidas, fazer investimentos, realizar aquisições etc.

Para o investidor

Para os investidores, adquirir ações em um IPO pode ser interessante. Uma das vantagens é que o preço de negociação prévia geralmente é menor. Assim, em alguns casos, investidores compram os papéis para esperar valorização no futuro.

Além disso, também há oportunidades de especulação para aqueles que buscam rendimentos no curto prazo. Os riscos são maiores, mas a alternativa existe.

E quais as desvantagens?

Se você deseja fazer escolhas mais sólidas de investimento, no entanto, as desvantagens do IPO também devem ser conhecidas.

Para a empresa, é preciso entender que a estrutura do negócio muda ao fazer um IPO. A companhia, por exemplo, terá menos flexibilidade para tomar decisões, pois terá que atender ao conselho administrativo e aos interesses dos acionistas.

A divulgação de informações contábeis e de desempenho geral também deve ser considerada pelo negócio antes de abrir o capital. Como a transparência é obrigatória, os dados ficam públicos mesmo para os concorrentes.

Para os investidores, entretanto, não há uma desvantagem específica, mas existe uma necessidade de análise. Afinal, como o empreendimento é novo na bolsa de valores, pode ser difícil fazer análises do histórico da empresa.

Além disso, é preciso ficar atento ao fato de que a valorização das ações pode não ocorrer conforme o esperado. Afinal, a renda variável não oferece garantias de rentabilidade.

Como participar de uma oferta pública inicial?

Se, depois de saber o que é IPO, você quiser participar da estreia de uma empresa na bolsa, o ideal é seguir algumas dicas para aumentar as probabilidades de sucesso.

Para ajudar você nessa jornada, trouxemos um passo a passo de como proceder para participar de um IPO. Confira!

1. Entenda o seu perfil

Antes mesmo de buscar investir em qualquer negócio, é necessário dar atenção ao seu perfil de investidor. Tenha em mente que a renda variável traz riscos — e a participação em um IPO pode potencializar isso. Por isso, se você é um investidor conservador, os investimentos em renda variável não estão disponíveis para você. Diversificar o portfólio é uma forma de limitar a exposição.

2. Analise o prospecto com cuidado

Como não há um histórico para verificar a empresa, o recomendado é ter máxima atenção com o prospecto do IPO. Escolha a empresa e, então, analise todas as informações apresentadas.

Veja como tem sido o desempenho contábil e quais são as projeções para saber se a alternativa pode ser interessante para você.

3. Tenha uma conta em uma corretora

Se você ainda não tiver, é o momento de abrir a sua conta em uma corretora de valores. É ela quem possibilita que você acesse a bolsa de valores e negocie os ativos que estrearão no mercado.

4. Reserve as ações

Considerando o quanto deseja investir e qual é o custo por ação que pretende pagar, reserve quantas ações você quer adquirir. O valor final será calculado e, se a sua intenção de compra for aceita, será possível fazer a aquisição.

5. Invista na empresa

Se a demanda for maior do que o volume de ações disponibilizadas no IPO, ele se concretiza — do contrário, pode não acontecer. Com o sinal verde, as operações têm início e você efetiva a compra. Logo depois, ocorre o primeiro pregão, com valorização ou queda do preço da ação.

Em caso de dúvidas sobre o processo de IPO, vale a pena consultar seu assessor de investimentos.

Saber o que é IPO traz uma nova oportunidade para quem investe na renda variável, não é mesmo? Com os cuidados adequados e uma boa análise, é possível definir se essa alternativa se encaixa em seu perfil!

Quer começar a investir com eficiência e segurança? Entre em contato conosco e veja como podemos ajudar!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *