O que é o Crédito Privado e quais as suas vantagens?

O que é o Crédito Privado e quais as suas vantagens?

A renda fixa não é composta apenas por títulos públicos e produtos emitidos por instituições financeiras. Dependendo do seu perfil, é possível aumentar o potencial de ganhos ao assumir um pouco mais de riscos em outras alternativas. Para tanto, vale a pena saber o que é Crédito Privado.

O conceito prevê a emissão de títulos por empresas, com características diferenciadas, de acordo com a classificação e os objetivos. Mas, antes de aplicar seus recursos, é preciso entender quais são os riscos envolvidos e saber como escolher entre os títulos do mercado.

Por isso, conheça melhor o Crédito Privado e saiba quais possibilidades ele oferece!

O que é Crédito Privado?

O Crédito Privado é uma modalidade da renda fixa em que há o investimento em títulos emitidos por empresas e instituições privadas.

Para saber como o Crédito Privado funciona, basta pensar que é comum que os negócios privados precisem de dinheiro para solucionar dificuldades ou financiar projetos. Nesse caso, uma alternativa é realizar financiamentos e fazer empréstimos.

Contudo, é um caminho que costuma ser caro e pouco atraente. Então, em vez disso, as empresas podem emitir títulos de Crédito Privado. Quando os investidores adquirem as aplicações, o negócio capta recursos para usar conforme o desejado.

Em troca, há o pagamento de uma taxa de juros. Normalmente, bem menor do que o valor que seria cobrado no caso de uma solicitação de crédito com bancos. Assim, o investidor obtém rentabilidade e a empresa consegue diminuir as suas despesas.

Quais são os principais títulos de Crédito Privado?

Além de entender o que é o Crédito Privado, é fundamental conhecer os seus títulos. Embora todos funcionem com base nos mesmos conceitos, há algumas características diferentes e que interferem na escolha.

Confira!

CRI e CRA

O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) e do Agronegócio (CRA) são duas alternativas emitidas por securitizadoras. Os títulos têm lastro nos mercados indicado pelo nome. No geral, eles permitem que o investidor financie empresas dessas áreas e receba uma rentabilidade em troca.

A remuneração do título pode ser pré-fixada ou pós-fixada. No segundo caso, é comum que acompanhe o CDI ou a taxa de inflação.

Quanto à liquidez, o resgate só pode ocorrer no momento de vencimento do título. Em alguns casos, é possível coletar juros semestrais ou anuais, dependendo das condições previstas em contrato.

O CRA e o CRI são isentos de IR pelo incentivo dado pelo governo a ambos os setores.

FIDC

O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) usa a modalidade coletiva de investimento para aproveitar as oportunidades do Crédito Privado. Nesse caso, a maior parte dos recursos é direcionada para a aquisição de direitos creditórios.

Então, o foco é no investimento em cheques, duplicatas, promissórias etc. Para a empresa emissora dos títulos, isso é positivo porque ela antecipa seus recebíveis, melhorando o fluxo de caixa.

A rentabilidade também pode ser pré ou pós-fixada. Quanto ao pagamento de tributos, a cobrança de Imposto de Renda segue a tabela regressiva. A partir de 720 dias, a alíquota cai para o mínimo de 15%.

Debêntures

As Debêntures são títulos de dívida privada, emitidos por uma empresa que pretende captar recursos em determinada situação. Na prática, funciona como se o investidor emprestasse dinheiro para a companhia.

Os rendimentos seguem as mesmas possibilidades descritas anteriormente: podem ser pré-fixados ou pós-fixados. Em relação à liquidez, é comum que o investimento precise ser mantido até o prazo determinado.

Quanto ao pagamento de tributos, há a cobrança de Imposto de Renda pela tabela regressiva nas Debêntures normais. Contudo, existe a modalidade de debêntures incentivadas — que são isentas de IR.

Quais são as vantagens do Crédito Privado?

Após entender o que é Crédito Privado, é interessante conhecer seus benefícios. Um deles é o potencial de retorno. Em relação a outras opções da renda fixa, eles apresentam um pouco mais de risco e podem oferecer rentabilidades maiores.

Outro aspecto positivo é que pode ser uma forma de diversificar a carteira, mesmo sem sair da renda fixa. Para investidores dispostos a arriscar mais, a carteira fica mais alinhada com a sua visão e com os seus objetivos.

Além disso, há alternativas isentas de Imposto de Renda. A economia evita perdas na rentabilidade e pode favorecer o fortalecimento do patrimônio.

Quais são os riscos que devem ser avaliados?

Apesar de ser classificado como renda fixa, é preciso entender que o Crédito Privado tem riscos mais elevados. Logo, podem apresentar mais risco do que títulos públicos ou aplicações como o CDB (Certificado de Depósito Bancário).

O principal risco se relaciona a potencial falta de capacidade do negócio em honrar o pagamento dos contratos. Um empreendimento que esteja em dificuldades financeiras pode não se recuperar e, assim, ter dificuldades para pagar os investidores.

Além disso, não existe proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Portanto, mesmo que você invista até R$ 250 mil, não terá direito ao ressarcimento do valor investido se houver problemas no pagamento.

Ainda assim, vale considerar que alguns títulos oferecem garantias, como cotas preferenciais para o pagamento de rentabilidade dos FIDC. Mas, no geral, uma garantia maior costuma estar atrelada a uma redução no retorno.

Como escolher um título?

Depois de conhecer o que é Crédito Privado, se desejar aproveitar suas vantagens, é indispensável tomar decisões embasadas sobre o investimento. Para acertar na escolha, o ideal é considerar diversos aspectos.

Comece avaliando as alternativas do mercado e as suas características, como potencial de pagamento, prazo e modalidade de remuneração.

Também é preciso conhecer a situação da empresa que receberá o aporte. Avalie o histórico de desempenho e pagamento, pois é uma forma de analisar as condições de mercado. Mas tenha em mente que resultado passado não garante o futuro.

No caso do FIDC, avalie a performance da gestora e as condições oferecidas, como a estratégia de investimento e alocação dos recursos.

Não menos importante, você deve entender quais são os seus objetivos, as suas estratégias e, principalmente, o seu perfil de investidor. Dessa maneira, é possível realizar escolhas que fazem sentido para os seus interesses.

Agora, você já sabe o que é Crédito Privado e pode avaliar se vale a pena incluir essa possibilidade da renda fixa em seus investimentos. Lembre-se de que é essencial pesquisar para encontrar as melhores alternativas do mercado!

Se quiser tirar dúvidas e conhecer melhor as possibilidades, entre em contato com a Zahl e fale com um assessor!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *