Quanto rende o Tesouro Direto hoje?

Quanto rende o Tesouro Direto hoje?

O rendimento do Tesouro Direto hoje é uma das questões que chama atenção de quem acompanha o mundo dos investimentos ou tem interesse em investir. Afinal, as medidas da política econômica e a conjuntura atual vêm implicando em baixa de juros e afetando a performance dos títulos.

Entendendo o assunto, é possível verificar se os títulos do Tesouro atendem às suas expectativas. Além disso, fica mais fácil selecionar as alternativas mais adequadas para o seu perfil, a fim de diversificar a carteira e encontrar mais possibilidades de rendimento, por exemplo.

 A seguir, veja todas as informações importantes para saber sobre a rentabilidade do Tesouro Direto e conheça alternativas que podem ser mais rentáveis que esse investimento de renda fixa!

O que é o Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é um programa e plataforma do Governo Federal para oferecer os títulos públicos — que são, de fato, os investimentos disponíveis para você. Eles são usados pelo Governo para captar recursos e usá-los na administração pública.

Quem investe se torna credor do poder executivo federal. Em troca, há o pagamento de uma rentabilidade (na forma de taxa de juros). As características dos investimentos variam de acordo com o tipo de título.

Então, é importante considerar que, apesar de ser usado como sinônimo de investimento, o Tesouro Direto não é um título. Na verdade, é o nome da plataforma. Ela foi criada para facilitar o acesso dos investidores.

Quais são os títulos do Tesouro disponíveis?

Como você viu, existem diversos títulos públicos disponíveis na plataforma. Eles apresentam características diferentes. Conheça cada um e suas principais características:

Tesouro Pré-fixado

O Tesouro Pré-fixado é uma alternativa que permite que você saiba o quanto receberá, ao total, no final do contrato. Isso é possível porque a rentabilidade já é definida desde o começo — em uma taxa pré-fixada.

Tesouro Selic

O Tesouro Selic tem rendimentos pós-fixados. Ou seja, o pagamento dos juros se dá acompanhando um índice do mercado. No caso, a taxa básica de juros da economia (a Selic). O título remunera o investidor em 100% da Selic.

Tesouro IPCA+

Por fim, o Tesouro IPCA+ tem rentabilidade híbrida. Ele apresenta uma taxa pré-fixada e o acompanhamento do índice de inflação (IPCA). Existe mais de um título de Tesouro IPCA. Alguns deles pagam cupons com juros semestrais.

Afinal, quanto rende o Tesouro Direto hoje?

O rendimento dos títulos encontrados no Tesouro Direto depende de cada tipo. Em relação ao Tesouro Selic, por exemplo, em outubro de 2020, a taxa Selic está em 2%, após sucessivos cortes. Trata-se do valor mais baixo da história do índice.

A diminuição da taxa Selic afeta diretamente o rendimento de títulos do Tesouro Direto hoje. Afinal, a aplicação atrelada a ela passa a render menos (a taxa já esteve em mais de 14% no passado).

Aplicações pré-fixadas também sofrem influência da Selic, pois, de modo geral, a rentabilidade prometida utiliza as condições da economia como referência. Assim, se a taxa básica está mais baixa, também é comum que os títulos ofereçam taxas menores.

Algo semelhante acontece com as taxas prefixadas oferecidas no Tesouro IPCA. Se você quiser saber quanto vale, nominalmente, o Tesouro Direto hoje, é possível acessar o site da plataforma e conferir a informação atualizada.

Quais são as alternativas ao Tesouro Direto?

Dependendo do seu perfil e dos objetivos, investir no Tesouro pode não ser uma alternativa tão interessante, em termos de rendimentos. Há opções com retornos melhores, sem aumentar tanto os riscos. Entre as alternativas mais arriscadas, também é possível buscar um retorno maior.

Contudo, vale destacar que o Tesouro Direto ainda tem espaço na carteira de muitos investidores hoje. Afinal, ele apresenta bastante segurança e se adequa a perfis conservadores — além de servir bem a objetivos específicos de investidores moderados ou agressivos.

Mas se você pensa na diversificação da carteira, vale a pena conhecer outros investimentos. Com escolhas ampliadas, é viável equilibrar o nível de risco e alcançar os resultados que busca — especialmente considerando a baixa do rendimento das aplicações do Tesouro.

Pensando nisso, veja algumas alternativas que podem substituir os títulos públicos ou compor sua carteira junto com eles:

Debêntures

Ainda na renda fixa, existe a opção das Debêntures. Elas são títulos de dívida privada, emitidos por empresas para captar recursos. A princípio, é uma alternativa com maior risco. Logo, pode oferecer retornos um pouco acima da média das aplicações.

Em relação ao tipo de título, existem as debêntures tradicionais e as debêntures incentivadas — que são isentas do Imposto de Renda.

Fundos imobiliários

Entrando na renda variável, pode ser interessante considerar os Fundos de Investimento Imobiliário (FII). Eles funcionam como um investimento coletivo, no qual um gestor profissional administra o portfólio aportado no setor de imóveis.

O fundo pode investir em imóveis físicos (fundos de tijolo), em títulos do mercado imobiliário (fundos de papel) ou em cotas de outros FIIs (fundos de fundos). Os ganhos podem se dar na forma de dividendos ou na valorização das cotas.

Ações

Se você tiver um perfil moderado ou agressivo e quiser se expor a maiores riscos na renda variável, as ações são uma alternativa. Elas são parte do capital social de uma empresa, negociadas na bolsa de valores.

Ao investir, você se torna sócio do negócio. Assim como os FIIs, o retorno do investimento pode acontecer pela distribuição de lucros em forma de proventos ou pela valorização dos papéis ao longo do tempo.

Fundos Multimercado

Por fim, os fundos multimercado são mais uma opção para muitos investidores. Eles também são uma modalidade coletiva e podem seguir estratégias diversas. Ou seja, podem aportar os recursos tanto na renda fixa quanto na renda variável.

Eles podem ser uma alternativa para quem deseja investir em títulos conservadores e também em ouro, câmbio, ativos internacionais etc. Ao escolher, é importante analisar o perfil de risco do fundo para saber se combina com o que você espera.

Como você viu, o Tesouro Direto hoje, especialmente o Tesouro Selic, tem apresentado um rendimento menor por conta da queda na taxa básica de juros. Então, para investidores interessados em diversificar a carteira e buscar resultados mais robustos, pode valer a pena procurar outros caminhos.

Quer conhecer melhor as demais opções na hora de investir? Entre em contato conosco da Zahl e converse com nossos assessores!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *