Vale a pena investir no exterior? Descubra!

Vale a pena investir no exterior? Descubra!

Você sabia que a busca por oportunidades de investimento não precisa estar limitada ao mercado interno? Atualmente, investir no exterior se tornou mais prático, com alternativas para diferentes perfis de investidor e expectativas.

Com a escolha de determinados investimentos, é possível diversificar e proteger sua carteira. Também há como atingir certos objetivos em relação ao patrimônio e ter acesso a condições que não estão disponíveis no mercado nacional.

No entanto, é preciso fazer uma análise completa para ter certeza que vale a pena. Por isso, descubra agora se é interessante investir no exterior e saiba o que a alternativa pode oferecer!

Quais as vantagens do investimento no exterior?

Adicionar alguns investimentos do mercado externo à sua carteira pode gerar benefícios. O primeiro deles está relacionado à diversificação. A estratégia é uma forma de não deixar todos os seus ativos ou derivativos atrelados apenas ao mercado brasileiro.

As condições de outros países podem não ter correlação direta com o comportamento dos investimentos internos. Assim, é uma maneira de equilibrar perdas e ganhos, pois o risco da carteira acaba sendo reduzido.

Além disso, investir no mercado internacional permite buscar a proteção em relação à moeda. É o caso quando os investimentos são atrelados a um câmbio forte como o dólar. Como resultado, uma possível desvalorização do Real gera menos impactos na sua carteira.

Dependendo da estratégia adotada e das decisões, também pode haver um aumento no retorno em comparação a uma carteira exposta apenas ao mercado nacional. Então, é uma potencial oportunidade de elevar seu patrimônio ao longo do tempo.

Como investir no exterior com facilidade?

Agora que você conhece as vantagens de investir no exterior, é hora de saber como conquistar essa diversificação. Uma das possibilidades envolve abrir uma conta no país de interesse. Mas será preciso buscar uma instituição externa, entender o idioma e seguir todas as regras da legislação do país.

Como você pode ver, todo o processo pode incluir muita burocracia. Uma opção mais simples é investir diretamente no Brasil, em alternativas que estão atreladas ao mercado internacional.

Desse modo, você realiza suas operações na bolsa brasileira, a B3, em Reais. E o processo tende a ser simples e muito mais acessível a qualquer investidor.

A seguir, veja quais são as alternativas do mercado brasileiro e como cada uma delas funciona.

BDR

O Brazilian Depositary Receipt ou BDR é uma oportunidade para quem deseja investir no exterior estando no Brasil. Trata-se de um certificado de Ações de empresas internacionais, mas que é negociado no Brasil.

Sendo um certificado, não se trata das Ações em si. No entanto, o certificado é lastreado nos ativos internacionais. Esse tipo de investimento é negociado na própria bolsa de valores, a partir de instituições que são conhecidas como depositárias.

A instituição adquire os papéis de companhias internacionais e garante que as Ações fiquem bloqueadas em uma custodiante. Então, podem emitir os BDRs para negociação no mercado nacional, seguindo regras brasileiras.

De forma simples, é como se a empresa depositária intermediasse a relação — até mesmo com a distribuição dos dividendos, se aplicável. Os investidores, portanto, se expõem à movimentação das empresas internacionais e podem obter ganhos de acordo com o comportamento das Ações no mercado externo.

ETF

Sigla para Exchange Traded Fund, o ETF é um fundo de índice que também é negociado na bolsa de valores. Nessa possibilidade, os recursos do fundo são direcionados para que reflitam a composição de um índice específico.

Na B3, é possível conferir ETFs focados no mercado brasileiro, como o BOVA11. Ele reproduz a carteira teórica do índice Ibovespa. Além dos fundos nacionais, há aqueles ETFs ligados a índices de outros países.

Um exemplo são os ETFs que acompanham o índice S&P 500. O índice reúne as empresas mais negociadas nos Estados Unidos. Assim, o brasileiro que fizer aportes nesses fundos pode atrelar seus investimentos às principais companhias norte-americanas.

Logo, ele se expõe às condições internacionais sem sair da bolsa brasileira.

Fundos internacionais

Para investir no exterior, também existe a possibilidade de recorrer aos fundos internacionais. Eles funcionam em uma modalidade coletiva, com exposição ao mercado externo. Normalmente, trata-se de fundos de Ações ou Multimercado.

Eles não são negociados na bolsa de valores, mas em instituições brasileiras que distribuem os fundos — como as corretoras de valores. Há alternativas diversas e a escolha depende do perfil do investidor.

A maior vantagem dos fundos é a praticidade. Basta adquirir as cotas e todos os recursos são movimentados por um gestor, que decide onde investir. Logo, você consegue a exposição ao cenário externo com a ajuda de um profissional.

Outro benefício dos fundos internacionais é a diversificação. Assim como os ETFs, eles não se limitam a um investimento só. Na verdade, o portfólio inclui diversos ativos, o que pode auxiliar no manejo de risco.

Para escolher um fundo, é preciso selecionar uma instituição financeira de qualidade e que tenha a autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Assim, você terá a certeza de que os investimentos são legítimos.

Vale a pena investir no exterior?

Apesar das vantagens que você conferiu, não há uma resposta ideal para saber se o investimento no exterior valer a pena. A decisão cabe a cada investidor, avaliando se a opção está alinhada com os seus objetivos e com o seu perfil.

É importante, especialmente, ficar atento aos riscos. Os investimentos que apresentamos envolvem a renda variável. Então podem apresentar volatilidade e riscos maiores na comparação com a renda fixa, por exemplo. Além disso, há o risco de exposição ao câmbio e ao mercado de outros países.

Cada possibilidade apresentada tem suas próprias potencialidades e riscos. Você deve conferir a estratégia, os riscos, a liquidez e a perspectiva de ganhos para escolher. Mas, se houver alguma alternativa internacional que atenda aos seus critérios, essa pode ser uma opção interessante.

Lembre-se também de estar pronto para fazer um rebalanceamento da carteira de investimentos de maneira periódica. Afinal, não é porque um investimento no exterior se mostrou atraente em determinado momento que ele continuará sendo a melhor decisão para o seu portfólio por tempo indeterminado.

Por isso, é preciso avaliar as mudanças de comportamento dos ativos selecionados. Dependendo dos resultados observados, você poderá ter que redistribuir os recursos para se adequar aos seus objetivos.

Investir no exterior pode ser adequado para investidores com um apetite de risco moderado a agressivo. Então considere as informações que viu neste conteúdo para saber se o investimento é atraente no seu caso!

Quer conhecer algumas alternativas de investimento no exterior sem precisar sair do Brasil? Entre em contato com a Zahl!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *